Vivo o tempo presente,confiscando os detalhes do silêncio ou quase silêncio.

sou bombardeado pela lições do tempo,do dia que passa ligeiramente carregado.

Penso,invento novas pegadas a cada dia.

olho as pessoas,os movimentos,a vida que pulsa em cada um.tudo em minha volta parece magnífico.Mas,é pó sendo consumido.As ruas, os becos,o desenho categórico-geográfico da minha cidade faz-me acalentar meus sentidos poluídos.

Otimista de um futuro incerto,vejo quase nada.Só apenas as noites e os dias que sucedem-se,para que eu possa andar,encostar em uma lanchonete e aumentar uns quilinhos básicos,consumindo comidas típicas com nomes estrangeiros e também parar numa lan house e dialogar com meus textos com o auxílio de um objeto eletrônico.Passo horas.Mas ,isso não é um desabafo de uma alma entristecida.É a expressão rotineira da alegria criativa de escrever.Procuro a beleza da arte que se esconde nas palavras,nos pensamentos soltos traduzidos em palavras belas,silenciosa,estranha.É uma busca infindável,sentida e reflexiva.

AUTOR: Silva,Robson.