Na madrugada da minha madrugada
Escrevo a poesia que pulsa latente na veia
A poesia que não ignora escrever
Na madrugada da minha madrugada
 
Junto palavras
Associo melodias
Penso tanto
Que chego a pensar nada
Permanece o silêncio parado no tempo
 
Horas seguidas na solidão do poeta
Para enaltecer a poesia
Contemplo a manhã que anuncia
Busco em todas os lados
Juntar os segundos de um novo dia.
 
                                                  Robson Silva