AS PEDRAS DO CAMINHO


No meio do caminho tinha uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho

tinha uma pedra

no meio do caminho tinha uma pedra.


Nunca me esquecerei desse acontecimento

na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me esquecerei que no meio do caminho

tinha uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho

no meio do caminho tinha uma pedra.
Carlos Drummond de Andrade


[…] o caminho da vida está repleto de pedras; o que devemos fazer com elas? o caminhante tropeça nelas constantemente; ao bater, machuca os pés e fica sangrando. As pedras estão aí, ao virar cada esquina, esperando-nos; o que devemos fazer com elas? […]
 
A cada dia o dia amanhece de um jeito, os acontecimentos são diversos e imprevisíveis. Por exemplo, às vezes meu dia amanhece nublado ou ensolarado; o vizinho com um som estridente nas primeiras horas da manhã me incomoda; chego ao trabalho com dez ou quinze minutos de atraso porque ainda tenho que comprar pães na padaria; o trânsito está congestionado; a fila no banco está enorme; a inflação disparou e nossa economia está em crise; minha aula tornou-se um produto mercadológico e muitos cilentes (alunos) não se interessam por ele (conhecimento);são reuniões chatas que parecem não acabar mais; são leituras obrigatórias que me deixam nervoso; planos sistemáticos da escola;registros e documentos para preencher e entregar no prazo determinado; pesquisa numa internet lenta (chá de tartaruga); Esses são exemplos de pedras no caminho, entre mil que existem; O que fazer com elas? será que dá pra manter a calma em meio a tantas pedras que nos atacam de todos os ângulos e lados? Como transformar essas pedras em nossas aliadas e amigas? Qual é a regra?

[…] A regra de ouro é a seguinte: deixar que as coisas sejam o que são. Visto que, de nossa parte, não há nada a fazer e que, de qualquer modo, as pedras estarão presentes no caminho, o senso comum aconselha a aceitar tudo com calma, quase com doçura. […] Seja delicado com as pedras, aceite-as como são. Sua cólera não pderá amenizá-las, pelo contrário, as  deixará mais ferinas. Não se aborreça, seja carinhoso e doce com elas, essa é a única forma de elas não  machucarem você. Aceite-as com harmonia, com ternura, de modo consciente, sem fatalismos […]

O homem moderno precisa aprender a lidar com essas pedras, o que vemos são muitos tropeços sem nenhuma reflexão ou possibilidades de evitar ser atacado por elas. O homem moderno corre contra o tempo num carro sem freios chamado egoísmo ou o cinto de segurança (escravidão) não se afrouxa mais para que ele possa descer desse carro envenenado.
Fonte: A arte de ser feliz: Orientações práticas para alcançar a paz interior, o sentido da vida e a alegria de viver: INÁCIO LARRAÑAGA
Robson Junior