Carta Aberta à Governadora Roseana Sarney

 

Senhora Governadora Roseana
Sarney.

Chapadinha,19-05-2010.

 

 

[1.] Com o mesmo
entusiasmo e orgulho com que Vossa Excelência nos visita, e nossas
Autoridades locais, nossos anfitriões, a acolherão na Sua Pessoa e
Representatividade Cívica, na riqueza inquestionável de vivermos num
regime democrático, em Estado de Direito, não me retraio em dizer-lhe: – Lamento, cara governadora, eu não sinto nenhuma emoção,
compromisso ou mínima esperança diante da sua visita!

 

 

 

[2.] Na rua e nalgumas
cadeiras sentado, ouço comentários desconexos…Tenho visto pouca TV
local, a Rádio Mirante não consigo escutar… (depois da censura ao
conteúdo crítico do nosso programa dominical, da parte do seu diretor
administrativo); da Rádio Cultura, só sei e é suficiente a possibilidade
da difusão da santa missa, aos domingos, para não privar os nossos
doentes (e quem os cuida zelosamente); quanto aos anúncios, através de
blogs pré-pagos e pré-direcionados politicamente não era de confiar…
Resumindo, só soube da confirmação da sua visita oficial, pelo
convite/programa enviado pela Prefeitura Municipal. O mesmo, lamento,
não tem ‘conteúdo sólido em inaugurações…’; conjeturo, será que vai
haver anúncio de mais um Novo Hospital… Vamos entrar em campanha
política, fora dos prazos legais da campanha oficial… O convite nada
diz de promissor, para o sucesso da sua visita… Não sei se não perderá
seu precioso tempo, tão útil para poder “Voltar ao Trabalho”, como é
seu lema de compromisso estadual…

 

 

 

[3.] Mas sua ilustre
visita não é clandestina. Que os foguetes…, ruas e praças lotadas…,
os salões apertados e os muitos sorrisos que irão recepcioná-la como
Governadora do nosso Estado! Possam ser verdadeiros! Se a idéia é passar
para o restante do Estado do Maranhão, em reportagem jornalística, que a
Senhora tem o nosso apoio incondicional, aqui em Chapadinha, – tendo o
apoio das Autoridades e lideranças -, logo tem o apoio popular na
cidade. Cara Governadora, sabe que esse tipo de visita-de-encomenda se resume às velhas práticas de quem faz política enganando o
povo. Eu não comungo desse voto em branco, voto tem conseqüências,
exige compromisso.

 

 

 

[4.] Penso num
hipotético discurso de boas vindas e em quais temas/assuntos que vos
apresentaria sucintamente, enquanto Governadora… Não seria de bom tom
nem falta de educação, essa ousadia, e começaria por vos falar de uma
‘cidade à beira de ser sucateada’(principalmente na infra-estrutura de
patrimônio público), em termos institucionais estamos a fazer manutenção
dos serviços-mínimos. Cidade que cresce, cada vez mais, mas não se
desenvolve, como merece e tem potencial. Isso não poderia deixar de lhe
falar. Falar dos bairros abandonados, duma imensa periferia urbana que
aumenta assustadoramente sem nenhum planejamento. Isso não podia. Falar
da saúde pública à beira de uma situação caótica (as contas da
Secretaria Municipal de Saúde em 2009, foram reprovadas pelo Conselho
Municipal de Saúde, na recente reunião de 29-04-2010). Isso não pode.
Falar de uma educação de ‘apadrinhamentos políticos’ onde as sucessivas
reivindicações dos professores tem sido indefinidamente prometidas e
descumpridas em acordos de conveniência. Isso não pode. Falar do caso,
entre vários outros, do descuido gravíssimo (novamente na saúde publica,
a nível sanitário, bem como ao nível do patrimônio moral e humano da
nossa cidade), para com os nossos vários cemitérios, depois de sepultar a
nossa líder, ainda ontem, Srª Dona Teresa, Bairro Novo – Comunidade
Sagrada Família, no cemitério do Limoeiro, sem as condições mínimas por
parte do Poder Público. Poderia falar de outras Obras e Serviços
Públicos desatendidos e sem qualidade presente, e no futuro, a longo
prazo, tais como: fornecimento de Água na rede publica; Saneamento
básico; tratamento de lixo (o nosso aterro sanitário que é um crime
ecológico a céu aberto…); da entrada principal da nossa cidade, se a
senhora Governadora viajar de avião ou por outro meio, infelizmente não
vai dar conta do fato…fica o pré-aviso para com a sua coluna…, ou
ainda, de outras ruas principais, sem condições de trafego em segurança;
a inexistente iluminação pública (taxa imoral cobrada pela CEMAR e repassada às
Prefeituras locais); a situação preocupante, do nosso Centro Regional de
Detenção Prisional, sem as condições mínimas em termos de lotação, etc.
E se lembrar a lista interminável dos problemas/necessidades do povo do
nosso imenso Interior neste nosso Município, nunca mais terminaria esta
carta. Em todos os assuntos de importância para uma cidadania básica:
isso, também, não pode!

 

 

 

[5.] O certo é que
‘viajar na maionese já pode’, mas discutir a gravidade da nossa
realidade, no descaso e alienação, no branqueamento da mídia oficial
(Radio, Tv, jornal quinzenal… e blogs), é que nem sempre interessa às
conveniências dos(as) nossos(as) vereadores(as), dos(as) secretários(as)
municipais, inoperantes, porque, não só mas também, presos ao
centralismo de uma Prefeitura-Sem-Cabeça,
mas com bolsos sem fundos, sem nenhum projeto consistente, orgânico e
dinâmico. Sem rumo à vista.

 

 

 

[6.] Os sucessos e
obras da Nossa Querida, – e apesar de tudo o que foi dito muito
resumidamente, anteriormente -, e bela Cidade, pertencem à iniciativa
das Igrejas (escrevo num plural mínimo, sem erro, e não vou fazer o
auto-elogio narcisista, em voga nos nossos concidadãos mais badalados
… que é doença que não sofremos) ou à iniciativa dos Comerciantes e
Empresários chapadinenheses, com um espírito empreendedor notável, temos
entre nós, no passado recente, e teremos num futuro, a curto prazo:
novas Clínicas (boas mas caríssimas para a maioria do povo de baixa
renda); novas Casas Comerciais (de diversos produtos e serviços que
continuam a fazer de Chapadinha a Princesa de todo o Baixo Parnaíba…),
novos escritórios/departamentos institucionais (edifício novo da
Promotoria Pública, da Delegacia de Policia, do Tribunal Regional do
Trabalho, tudo com menos de ‘três anos’, mas de projeto/financiamento,
exclusivamente federal); e novas Universidades (UFMA e FA.P./CRESU no
domínio privado), novo grandioso colégio, só para dar alguns exemplos
consideráveis, sendo reservado quando à referência de nomes e marcas de
relevo quanto a projeto cívico, cientifico e ético.

 

 

 

[7.] Seja bem-vinda,
mas não se deixe enganar, porque sei que não se quer enganar, nem quer
enganar, muito menos, os Chapadinheses, seus concidadãos. Possa fazer o
seu diagnóstico da realidade, sem falsos quadros e fotos de ocasião.
Possa assimilar nossa angústia, nossas esperanças, ainda que aceite
também esta nossa descompressão afetiva e efetiva.

 

 

 

[8.] Despeço-me, repentinamente, sem formalidades, como iniciei…

Com a mais alta consideração, estima e acreditando no Brasil, que
se consolidará, brevemente, como 5ª Economia Mundial, vivendo neste
quase paraíso natural e cultural maranhense, pedindo-lhe, com
honestidade e fé, ajude-nos a construir o Futuro da Nossa Cidade, não
nos deixe refém do nosso passado, menos digno, para que o presente, seja
o lugar da honra, do trabalho e da alegria sadia!

Rezo e canto, em voz baixa… o Hino de Chapadinha!

 

 

POR: Pedro José,
Chapadinha, 19-05-2010.
7066
caracteres (com esp. incluídos) – 23h19.

FONTE: BLOG LAZER E LABOR