Cidade altaneiraImagem
Em linhas retas precisas ser
Completas mais um ano que testemunha o relógio biológico do tempo
Não é nova nem velha
És inteira
Tua idade inventada pelos homens não corresponde à grandiosidade de
tua magnífica geografia, que irradia

Cidade altaneira
Tua imagem está estampada no fervor das ruas, das calçadas nuas
Das praças públicas, dos becos estreitos em cada adereço e endereço
Nos canteiros desajeitados onde se esconde tua flora bela e doce
Nas crianças negras e brancas, pobres e ricas, tímidas e audaciosas
Nas mães que acalentam seus filhos e nos filhos que procuram suas mães

Cidade altaneira
Teus desejos dissecados
Deleitam-se em cada rosto dos teus filhos amados
Teus filhos amados sendo amados
Tu terás um rosto nobre almejado

Cidade altaneira
Teu progresso permanece vivo e pronunciado
Mas com passos lentos e cadenciados
Ainda não foram alcançados
Pedimos-te perdão pela mera presença
Sem engendrar um olhar profícuo
Que tantas vezes só profiglou tua imagem
Fazendo-te descer diante do espelho

Cidade altaneira
Teu voo quer ir longe
A timidez embaçada
Faz-te embocar num leito largo desconhecido
Onde as lágrimas se desconhecem,
O riso se cala
E a razão se confunde

Cidade altaneira
Tu tens afeto de mãe que acolhes todos os homens
E fazes deles filhos teus
Tua história penetra nas veias
E na alma de cada ser que por ti passou

Cidade altaneira
Tua forma, teu corpo, relevos e chapadas
Misturados à multidão que transborda vitalidade
Multidão sem recuo no riso
Quer fazer de ti um pequeno paraíso preciso, com juízo e otimismo
Uma grande nau.

Robson Jr.